Yellowstone National Park
Wyoming/Montana/Idaho, EUA
14 dias - set/2018
 Início

Planejamento

Roteiro

Programar um roteiro para um parque tão grande e diversificado quanto o Yellowstone é uma daquelas tarefas que a gente não sabe nem por onde começar. Decidi iniciar elencando aqueles pontos clássicos que não teria como deixar de fora do roteiro. Nesta categoria entraram, por exemplo, a visita a Grand Prismatic Spring, o geyser Old Faithful e a Yellowstone Fall. Para a visitação destes pontos, estimamos que 4 dias seriam suficientes. Depois, me debrucei sobre o mapa do parque para tentar identificar boa rotas para realizar minha atividade favorita, que são as caminhadas longas.

Caminhando rumo ao topo do Mount Sheridan

Apesar da enorme área do parque, minha percepção foi de que a topografia e topologia das estradas acabam não facilitando muito o planejamento de trilhas longas. Ou pelo menos, as trilhas longas com as premissas que nós definimos. Em primeiro lugar, gostaríamos de realizar trilhas sem repetição de percurso (ou seja, travessias ou circuitos). Depois, precisávamos que o deslocamento entre o ponto de início e fim da trilha fosse o mais fácil possível. Depender de horas de estrada para conseguir realizar um caminhada seria algo improdutivo. Relacionado a este aspecto, não gostaríamos que a trilha nos levasse para uma área demasiadamente afastada do Yellowstone, afinal o foco desta viagem era este parque.

Por fim, estipulamos ainda que o roteiro deveria ser composto por dias relativamente curtos de caminhada. Esta última premissa foi motivada por uma combinação de fatores. Na latitude do parque e na época que seria feita a visita, teríamos poucas horas de sol e baixas temperaturas. Estaríamos visitando áreas com presença de ursos pretos e pardos. Para evitar o frio e os ursos, precisaríamos caminhar com claridade e ainda chegar no ponto de acampamento a tempo de jantar e proteger os alimentos antes do anoitecer. Para nos proteger dos ursos, também precisaríamos de um tamanho de grupo que estipulamos entre 5 e 8 participantes. Um grupo grande naturalmente também se desloca mais vagarosamente e reforça a necessidade de percursos mais curtos.

O grupo caminha no Black Canyon of Yellowstone River

Chegamos então a duas travessias de 3 dias de duração e uma travessia de 4 dias de duração. Ou seja, 10 dias de estadia no parque somente por conta das travessias. Na data anterior a cada uma destas travessias, precisaríamos um dia tranquilo, fora da parte selvagem, para obtermos o permit da travessia seguinte (mais sobre os permits adiante). Por isso, decidimos que a melhor estratégia seria intercalar as travessias com os dias de visitação aos pontos tradicionais. Assim, chegamos a um roteiro de 14 dias de duração dentro do Yellowstone. Adicionamos ainda dois dias antes da chegada ao parque e dois dias após a chegada ao parque para garantir o deslocamento de Las Vegas e ainda nos dar algum tempo na cidade para resolver aluguel de carro e compras de equipamentos e alimentos. Por fim, terminamos com 18 dias nos EUA, fora os dias de voo:

DiaDataAtividadeDetalhePernoite
0107/09VooVoo Rio → Panamá → Las VegasLas Vegas
0208/09CidadeCompras pré viagem na REI Las VegasLas Vegas
0309/09EstradaLas Vegas to Yellowstone via I-15 (direct route)Canyon Campground
0410/09Day hikeGrand Canyon of Yellowsone / Falls, Hayden ValleyCanyon Campground
0511/09Backpacking 1Heart Lake TH (8N1) to West Shore (8H4)West Shore (8H4)
0612/09Backpacking 1Mt Sheridan (12 Km round trip)West Shore (8H4)
0713/09Backpacking 1West Shore (8H4) to Snake River Ford (8C6)Snake River Ford (8C6)
0814/09Backpacking 1Basin Creek Lake (8B2) to South Boudary TH (8K7)Canyon Campground
0915/09Day hikeLamar Valley, Tower Fall, Petrified Tree, Mamooth SpringsCanyon Campground
1016/09Backpacking 2Tower Junction TH (2K2) to Hellroaring Creek (2H3) via Garnet Hill Trail (north)Hellroaring Creek (2H3)
1117/09Backpacking 2Hellroaring Creek (2H3) to Yellowstone River Trail (1Y7)Yellowstone River (1Y7)
1218/09Backpacking 2Yellowstone River Trail (1Y7) to Eagle Creek CampgroundCanyon Campground
1319/09Day hikeGrand Prismatic Spring and Old Faithful areaCanyon Campground
1420/09Backpacking 3Pebble Creek TH (3K2) to Bliss Pass Jct (3P2)Bliss Pass Jct (3P2)
1521/09Backpacking 3Bliss Pass Jct (3P2) to Slough Creek (2S3)Slough Creek (2S3)
1622/09Backpacking 3Slough Creek (2S3) to Slough Creek TH (2K5)Canyon Campground
1723/09Day hikeNorris & Madison area, Grand Teton, Jackson (via scenic)Soda Springs
1824/09EstradaSoda Springs to Las VegasLas Vegas
1925/09CidadeCompras na REI e embarque para o retornoVoo
2026/09VooVoo La Vegass → Panamá → RioRio de Janeiro

(*) Originalmente estava planejado o Basin Creek Lake (8B2), mas foi alterado no final de agosto para Snake River Ford (8C6). A alteração foi feita por iniciativa do Parque, por medida preventiva. Estavam com receio de um incêndio florestal que acontecia na área. Durante nossa caminhada, entretanto, não percebemos nenhuma anormalidade.

Para o planejamento do roteiro, em especial das travessias, as principais fontes de consulta foram: o mapa impresso da National Geografic, o site oficial do parque (incluindo o manual de planejamento disponível no próprio site), e os sites The Hiking Project e Natural Atlas. O Hiking Project foi útil para o download de tracklogs e descrições de algumas trilhas. O Natural Atlas foi particularmente importante para ajudar na localização de trailheads e áreas de acampamento específicas ao longo das trilhas. De uma forma geral, é trabalhoso encontrar bons relatos das trilhas. O Wikiloc, que tem se tornado quase que um padrão para as trilhas nacionais, deixa bastante a desejar para o exterior.

Backcountry Permits

Acampamento 2H3 às margens do Hellroaring Creek, primeiro dia da travessia Black Canyon of Yellowstone River

Para realização das travessias, envolvendo pernoites na parte selvagem do parque, é necessário a obtenção de permits junto ao National Park Service. Os permits propriamente ditos são obtidos em pessoa, no máximo dois dias antes do início da travessia, em alguns pontos específicos dentro do parque. Porém, devido a alta procura, se faz necessário reservá-los com antecedência de vários meses. Um processo semelhante ao que passamos para visitar o Yosemite, inclusive com o mesmo inconveniente: a solicitação precisa ser enviada por fax.

As solicitações enviadas entre janeiro e março são reunidas e começam a ser processadas em ordem aleatória a partir de abril. Solicitações enviadas a partir de abril são processadas na ordem que forem sendo recebidas. Queríamos que nossas solicitações fossem avaliadas o quanto antes, por isso, no início de março enviamos solicitações para as três travessias. Desta vez, usei o serviço Hello Fax para o envio. Este serviço dá direito a cinco faxes gratuitos quando você se inscreve, além de alguns faxes adicionais se você importar seus contatos para a plataforma e/ou colaborar na divulgação do serviço nas redes sociais.

Acampamento 1Y7 às margens do Yellowstone River, segundo dia da travessia Black Canyon of Yellowstone River

Logo no início de abril, recebemos o primeiro e-mail de confirmação, referente ao Black Canyon of Yellowstone River. Ele autorizava apenas duas pessoas, embora tivéssemos solicitado um grupo maior. Felizmente, foi apenas uma falha no processamento e, com uma simples troca de e-mails, recebemos a nossa confirmação corrigida. No dia seguinte, veio um e-mail relativo a travessia de Pebble Creek para Slough Creek. Desta vez, estavam verificando se aceitaríamos mudar nosso ponto do segundo pernoite pois o local que indicamos já estava ocupado. Felizmente, o ponto sugerido não atrapalharia nossos planos. Aceitamos a solução e garantimos nossa segunda confirmação. Em 18 de abril, recebemos a confirmação da travessia faltante: Heart Lake to South Boundary. Esta veio exatamente conforme o solicitado, nenhum ajuste foi necessário.

Acampamento base

Foi necessário também fazer reserva antecipada para o acampamento base, a ser utilizado nas noites em que não estaríamos nas travessias. Apesar da existência de algumas áreas de camping próximas às estradas, na época do ano para a qual planejamos a visita, muitas já estariam de portas fechadas. Felizmente, o Canyon Campground, localizado numa área bem central do Parque e com uma boa infraestrutura próxima, ainda conseguiria nos atender. Mesmo nesse acampamento, que possui uma janela de operação bem extensa, nosso último pernoite no Parque coincidiu com o seu último dia de funcionamento (22 de setembro). Nossa reserva foi realizada no início de janeiro, 8 meses antes da nossa estadia.

Cartão de boas vindas ao Canyon Campground

As dicas para esta parte do planejamento são: Realizar a reserva com antecedência (principalmente para o período do verão), verificar a janela de funcionamento dos campgrounds e suas localizações, atentar para quantidade máxima de dias permitidos para o acampamento e quantidade máxima de pessoas em cada campground, além de pesquisar a infraestrutura que se espera encontrar no entorno. As reservas são feitas no site Yellowstone National Park Lodges. Foi necessário pagar antecipadamente a primeira noite com seus respectivos impostos. O restante foi acertado pessoalmente na recepção da área de acampamento.

Passagens Aéreas

A destino aéreo mais conveniente para quem pretende visitar o Yellowstone, com certeza é a cidade de Salt Lake City, no Utah. Provavelmente, por não se tratar de um destino muito popular para quem sai do Brasil, os preços dos voos não são muito atraentes e as promoções raras. Começamos a monitorar mais frequentemente as oportunidades de compra a partir de fevereiro. A única promoção que vimos aconteceu no mês seguinte. Naquela ocasião, porém, não tínhamos ainda recebido a confirmação dos permits do parque, então fazer a compra seria uma aposta alta.

Com os preços das passagens elevados, decidimos optar por um destino alternativo: Las Vegas. Enquanto o tempo de direção de Salt Lake até a portaria do parque é estimado em 5 horas, partindo de Las Vegas este tempo aumenta para 11 horas. Mesmo assim, com passagens para Las Vegas saindo cerca de 3/5 do preço de Salt Lake, optamos por encarar as 6 horas a mais de estrada. No início de junho estávamos comprando nossas passagens. Acabamos optando por praticamente os mesmos voos que fizemos em 2016, na visita ao Kings Canyon e Zion: Copa Airlines, com conexão no Panamá. Infelizmente, pagamos quase o dobro do valor de 2016. As únicas promoções para Las Vegas que nos deparamos saíam de São Paulo, com conexões extremamente demoradas. Nesta viagem, as passagens aéreas comeram uma fatia significativa do orçamento.

Aluguel de carro

O carro alugado estacionado na área de acampamento perto a portaria sul do Parque

Um gasto difícil de ser evitado numa viagem a parques nacionais americanos é com o aluguel de um automóvel. Teríamos uma longa viagem a ser feita de Las Vegas até o parque, nosso roteiro previa a visitação de vários pontos afastados dentro do parque e ainda gostaríamos de atravessar o Grand Teton no retorno para Las Vegas. Na viagem para o Zion fizemos um mau negócio na reserva do carro diretamente com a Dollar. Não pelo serviço prestado, mas pelo preço cobrado. Desta vez, pesquisamos através de dois sites de reservas que oferecem preços muito melhores: o Rent Car e o Rental Cars.

Conseguimos um reserva por um preço muito mais razoável, incluindo já seguro do carro, seguro contra roubo, seguro para terceiros, condutor adicional e quilometragem livre. Além disso, através destes sites é possível pagar antecipadamente em reais (até em boleto bancário!), o que é ótimo para se livrar de oscilações da moeda e taxas adicionais do cartão de crédito em compras internacionais. Nossa opção foi um Dodge Grand Caravan, alugado pela Alamo. Realizamos a reserva em junho, 3 meses antes da nossa viagem. A reserva transcorreu sem nenhum problema. Pegamos o carro e devolvemos no próprio aeroporto de Las Vegas, com total comodidade.

Carregando o equipamento na mala para retorno ao Canyon Campground após a primeira travessia

O carro atendeu bem às nossas necessidades. Estilo mini van, com 7 assentos, sendo que todos os assentos traseiros podem ser facilmente "dobrados e guardados sob o assoalho", gerando uma enorme área para transporte de bagagens. Utilizamos com um grupo de 5 pessoas, com mochilas cargueiras para uma viagem de 3 semanas, fora as bagagens de uma parte do grupo que ainda iria esticar a viagem por mais tempo. O carro ficou bem cheio, mas coube todo o equipamento "sem muita briga". Mesmo com toda essa bagagem, com boa vontade, ainda transportaria mais uma pessoa.

Shuttles

Nossa viagem previa a realização de três travessias, com pontos de início e fim bastante distantes. Diferentemente do Yosemite, ou do Zion, o parque não conta com nenhum sistema de ônibus interno. Isso significa que para viabilizar as travessias, precisaríamos contratar por conta própria algum serviço de transporte. Apesar da imensa quantidade de visitantes e do tamanho do parque, conseguir este trasporte foi surpreendentemente difícil. Isso porque pouquíssimas empresas ofertam este tipo de serviço.

As pesquisas sobre o assunto começaram em janeiro. Consultamos quase 40 empresas e pessoas potencialmente capazes de realizar o serviço. A maioria delas, empresas de turismo registradas no site oficial do parque. Porém, grande parte trabalha apenas oferecendo pacotes completos de turismo. Aparentemente, não vale a pena para elas trafegar vários quilômetros dentro do parque pelas suas estradas sinuosas, e muitas vezes engarrafadas, para transportar grupos pequenos de turistas de ponto para o outro. Por fim, conseguimos quatro contatos que realizam o serviço: Mountain Runner Shuttles, Yellowstone Tour Guides, In Our Nature Guiding Services e Yellowstone Road Runner.

O primeiro chegou confirmar a disposição a fazer o trabalho no início do ano, mas quando entramos em contato novamente no meio do ano para fechar o negócio, não nos deu mais retorno. O segundo afirmou que estava sem disponibilidade paras as datas que solicitamos. Acabamos ficando entre a In Our Nature e Road Runner. Apesar da enorme demora para obter resposta aos nossos e-mails, finalmente, no meio de junho conseguimos obter orçamentos e fechar dois translados com a In Our Nature e outro com a Road Runner.

As dicas para quem está planejando são: Assim que conseguir definir os pontos de início e final da travessia, entrar em contato com as empresas. São poucas opções, os valores cobrados são altos e variam muito dependendo do local onde o translado ocorrerá. Como o parque é grande, determinadas regiões são de mais difícil acesso para uma empresa e mais fácil para outras. Existem também limitações quanto ao tamanho do grupo. A In Our Nature, por exemplo, não tinha carro grande o suficiente para todo o nosso grupo, mas tinha o melhor preço para dois translados. Acabamos optando por fazer o transfer apenas do motorista do nosso grupo, que resgatou nosso carro na outra extremidade. Em geral, gastamos cerca de 3 horas antes de iniciar cada travessia por conta do processo de translado. Um tempo precioso numa época do ano com dias bem curtos. Em resumo, esta parte do planejamento foi bem mais trabalhosa do que o esperado e não deve ser negligenciada.

Hospedagens

Para as hospedagens em Las Vegas, decidimos repetir uma das escolhas que fizemos durante a viagem ao Kings Canyon e Zion. Decidimos ficar no Super 8 da South Las Vegas Boulevard. O hotel é simples, mas atende todas as nossas necessidades para este estilo de viagem, com um preço reduzido. Os quartos são limpos e espaçosos, tem wifi e estacionamento amplo à disposição dos clientes. Não servem café da manhã nem qualquer refeição, mas é possível se virar a pé nas imediações. Fizemos a reserva em junho, 3 meses antes da viagem, pelo Decolar.com que nos permitiu realizar o pagamento em reais.

Para o retorno do Parque, preferimos fazer um pernoite na estrada. Isso porque incluímos no nosso roteiro uma passagem por dentro do Grand Teton, para uma visita rápida. Além disso, iríamos passar por Jackson Hole, fazendo um itinerário um pouco maior, porém mais cênico. A cidade escolhida foi Soda Springs, não por qualquer atrativo especial, mas apenas pela localização no trajeto. Ficamos no hotel Cobblestone Inn, reservado pelo Booking.com pouco menos de 3 meses antes da nosso partida.

Por: Ângelo Vimeney
Publicado em: 03/06/2019

Deixe seu comentário!